Blog do Franco Barni.
   O Brasil e a reforma tributária

                          

 

"As fraldas e os políticos devem ser trocados com frequência pela mesma razão!" Eça de Queiroz

 

Caros amigos e inimigos leitores,

 

 

Faz alguns anos que vemos a promessa que já virou eterna sobre a reforma fiscal e tributária mas o fato é que entra ano sai ano, novos presidentes eleitos vem com novas equipes, e isso também acontece nos estados e municípios brasileiros mas a verdade é que percebo uma certa enrolação por pessoas eleitas para fazerem seu trabalho e não acontece.

Na verdade, no meu modesto ponto de vista a reforma fiscal e tributária não acontece por  algumas razões como mexer  nas contas públicas, corte de gastos e, um dos principais motivos, o corte de funcionários e cargos eletivos, corte de ministérios e tudo mais. Afinal, como reduzir a carga tributária e fiscal sem mexer nos gastos do governo, corte no funcionalismo público, etc? 

Na verdade, não existe milagre, para acontecer estas reformas é preciso mexer em tudo isso que citei para que não se reduza a carga tributária sem provocar o aumento dos tributos que permanecerem, pois o governo assim como uma empresa deve ter fluxo de caixa e, para cobrir gastos deve ter um aumento no caixa com aumento de impostos. Gostaria que o governo nos explicasse com sinceridade os motivos de não fazer estes cortes nos gastos. Será que é por promessa de campanha com partidos aliados? Medo de gerar problemas com funcionários públicos? Ou ainda achar que cortar funcionários  do governo é antipopular? 

A notícia para todos os lados, políticos, funcionários públicos não é das melhores. Não há milagres! O governo deve entre aspas "mutilar" pois por conta da alta carga tributária que provoca um " Custo Brasil" altíssimo é que deixa o país atolado e amarrado no seu crescimento, inclusive no comércio exterior, além de ter sérios problemas de infraestrutura.

Mas o que fazer para tornar o Brasil mais eficiente é preciso enfrentar e encarar que os governantes eleitos devem dar o exemplo e que infelizmente para melhorar a situação econômica do país todos devem fazer e ter sua cota de sacrifício a começar por eles mesmos. O governo precisa reduzir de forma drástica seus gastos e enxugar a máquina administrativa é preciso que estes tenham a sensibilidade de que o Estado não é instituição de caridade e que não dá para empregar todos os que ajudaram na campanha do candidato vencedor. Acima de tudo, é preciso que os eleitos e os que estão no poder percebam que é necessário respeitar o dinheiro do povo brasileiro, o dinheiro público. 

É preciso cortar o número de ministérios, atualmente se não me falha a memória gira em torno de 39, pode-se reduzir para 10 ou 15 ministérios no máximo e, junto com isso, demitir funcionários, manter apenas o número necessário. Se faz necessário, cortar o número de Deputados e Senadores. Atualmente são 513 deputados e 86 senadores, ambos podem ser reduzidos para 26 ( o número de estados que temos). é necessário cortar os benefícios dos Deputados e Senadores, assim como a redução de seus salários. Se não me engano há uma lei que impede que estes legislem em causa própria é necessário aplicar a lei, o aumento de salário deles deve ser proibido que eles mesmos votem, isso deve ser aprovado por uma comissão formada por cidadãos brasileiros e eles é que irão aprovar ou não o aumento de salário.

O mesmo tipo de reforma deve ser feito também nos estados e municípios. Sei que o que estou falando já deve estar gerando uma polêmica imensa, e que muitos devem estar dizendo que estou louco e que é impossivel que isto aconteça. Mas, devemos nos conscientizar de que as mudanças estão na mão do eleitor, de nós cidadãos. Precisamos repensar nossa forma de votar, pois se votamos e as coisas não mudam é também responsabilidade dos eleitores que não elegem pessoas novas e não cobram dos eleitos as promessas de campanha.

Na cidade de Lins/SP, tivemos um excelente exemplo vindo da Câmara Municipal, foi o corte de gastos promovido pelo Presidente da Câmara (Dr. Marino Bovolenta JR) que devolveu aos cofres do município em dezembro de 2013 cerca de Um milhão de reais.  Isto mostra que ao votarmos de forma consciente, e ao elegermos pessoas responsáveis e sérias, comprometidas com a seriedade e trabalhar seriamente em favor da cidade, as coisas boas acontecem.

Precisamos refletir sobre o assunto, e bastante. Não basta votar apenas num determinado plano de governo, é preciso conhecer a biografia a vida pública dos candidatos para sabermos se realmente estes merecem nosso voto! É preciso mudar conceitos, parar de votar em troca de favores pessoais ou na "Lei de Gérson". Podemos e temos a capacidade de ter um Brasil melhor e não depende os políticos eleitos, depende dos eleitores. Se votamos errado, é um fato, devemos aprender com estes erros e mudar o voto. Parar de votar em Bolsa família e tudo mais.

Precisamos eleger pessoas competentes, sérias e  que podem trabalhar de verdade pelo Brasil. Lembre-se de que político não é autoridade, pe um funcionário público eleito e este nos deve satisfação sim pois cada brasileiro que paga imposto é o patrão deles. Vamos refletir sobre o assunto.

 *Franco Barni (MTB 29942)

*Franco é jornalista há 19 anos, foi colunista do Correio de Lins, Jornal da Moóca, revista Tatuapé. Foi Assessor de Comunicação Social da AgipLiquigás do Brasil.


 

 



Escrito por Franco Barni às 08h50
[] [envie esta mensagem] []


 
   Inversão de valores

"As fraldas e os políticos devem ser trocados com frequência pela mesma razão!" Eça de Queiroz

Caros amigos e inimigos leitores,

 O que me aborrece é ver uma total inversão de valores de toda a espécie, desde misturar fato público e privado e vice e versa. O que acontece na verdade é nós estamos presos e os criminosos a solta e, nenhum crime é punido como deveria. Veja o caso Nardoni, Rischtoffen, O moço que foi atropelado na paulista, a Jorgina que ninguém mais fala que desviou dinheiro do ISS e nunca devolveu assim como o Lalau, Mensalão, crimes de colarinho branco sem punição etc aí um senhor que tirou um pedaço de casca de árvore para fazer um chá antigripal a esposa foi preso, crime inanfiançável contra a natureza. São dois pesos e duas medidas. Dá a impressão de que alguns são mais iguais aos outros perante a lei. O pior que no caso do mensalão, fizeram vaquinha para ajudar os safados como o Genoíno, Delubio e tudo mais. quer dizer, eles afrontaram os Brasileiros, desviaram dinheiro, não devolveram o que surrupiaram e há ainda os otários de plantão que doam dinheiro para eles pagarem as multas? Deveriam penhorar é os bens que eles tem para honrar as multas e pagar estas multas com arrecadação de dinheiro deveria ser proibido e a justiça não deveria aceitar. Esse povo que doou o dinheiro a estes malandros, porque não fazem doações para quem não pode pagar um transplante de medula óssea para continuar vivo, por que não faz doações para uma AACD, coisas assim? Não vão ajudar condenados pela justiça...Isto é Brasil!
Caros leitores, os dois últimos que fizeram vaquinha pela internet, receberam mais de um milhão de reais. O pior de tudo é a justiça do Brasil aceitar o dinheiro das doações para pagar as multas, será que a justiça está a favor disso?  Só digo uma coisa para quem doou o dinheiro para eles pagarem a multa: Burro eu aguento, mas não Jumento!!!
Tudo isso é um tapa na cara, uma afronta aso brasileiros, eles nos fazem de otários e todos aceitam passivamente....É um pouco demais! Eu não aguento mais tanta podridão, tanta coisa errada. É por esses motivos que estou cada dia mais desanimado e pensando seriamente em parar de escrever pois noticias como essa me deixam revoltado.

*Franco Barni (MTB 29942)

*Franco é jornalista há 19 anos, foi colunista do Correio de Lins, Jornal da Moóca, Revista Tatuapé. Trabalhou na AgipLiquigás do Brasil como Assessor de Comunicação Social



Escrito por Franco Barni às 08h51
[] [envie esta mensagem] []


 
   A declaração da Presidente sobre Portugal

"Não pergunte o que o país pode fazer por você mas sim, o que você pode fazer por Seu país" John F. Kennedy (Ex presidente dos EUA)

 

Caros amigos e inimigos leitores,

 

Jà vestido com minha carapaça (ou armadura se preferirem) pois mesmo analisando de uma forma tranquila e apartidária as flechadas, pedradas, tijoladas e tudo mais recairão sobre mim....mas fazer o quê? Estressados  e mal educados que não aceitam a opinião alheia, tem aos montes..Como diz sabiamente um amigo para mim sobre um assunto que conversávamos a qual eu fui atacado ele respondeu o seguinte: " Franco, é assim mesmo! As pessoas que falam de maneira educada e para o bem, mostrando alguns caminhos a serem seguidos, levam tijoladas dos ignorantes mas é como se diz "Os cães ladram e a caravana passa!" um dia verão com quem está a verdade e com quem está a razão." respondi a ele que após esta afirmação não tinha argumentos.

Mas vamos ao que interessa, senhora presidente, é de forma respeitosa e sem querer ofendê-la é que peço licença para expressar aqui minha opinião sobre o assunto de Portugal. Os brasileiros ficaram bravos  e indignados sim mas, com todo o respeito a sua pessoa pois eu respeito todos os seres humanos, independentemente de quem sejam e os trato com educação pois é assim que eu quero ser tratado, quando a senhora declarou que desde que a senhora paga a conta ninguém tem nada com isso! A senhora não deixa de ter sua razão. Mas, quero lembrar que a senhora fez esta declaração, apesar de estar certa, numa hora infeliz e a senhora foi infeliz quando declarou isso pois foi fora de hora.

Por que estou dizendo isso Senhora Presidente? Por que a senhora foi a Davos (Suiça) como presidente da República Federativa do Brasil, com o avião presidencial e tudo mais pago com o dinheiro dos contribuintes e o salário da senhora, assim como o de todos os representantes eleitos do país saí do bolso de cada brasileiro que trabalha duro para ganhar seu dinheiro.

Senhora Presidente, é certo que o  seu cargo vale lembrar é de pessoa jurídica, e como todos os funcionários (de alto cargo ou não) devem prestar contas da viagem assim como acontece nas empresas quando um funcionário viaja para a empresa, no retorno ele presta contas.  Com a senhora não é diferente. Não adianta se irritar e desrespeitar os brasileiros que pagam seu salário e a maioria a elegeu. Por sinal, a senhora foi eleita com a maioria dos votos, mesmo eu não votando na senhora, Dilma Rousseff, eu a respeito pois é a presidente de meu país e a vontade popular (da maioria) foi que a senhora assumisse o cargo.

Presidente Dilma, no cargo que está exercendo a senhora deve SIM, satisfações ao povo brasileiro, pois somos patrôes da senhora pelo fato que eu disse anteriormente, de seu salário sair do bolso de cada brasileiro por meio dos impostos que pagamos. Digo mais, qualquer brasileiro, independente de partido, que assumir a presidência da república deve nos dar satisfação e prestação de contas.

A senhora se for inteligente e tiver um pouco de sobriedade, vai se desculpar com a nação  brasileira pela bola fora que a senhora deu com a infeliz declaração que deu dizendo que não deve satisfação dos gastos em Portugal desde que a senhora pague a conta. Se a senhora realmente pagou do seu bolso, demonstre, quem não deve não teme. Até onde sei salvo qualquer engano da imprensa, a escala em Portugal não estava prevista e, como presidente a senhora deve dar o exemplo, se não der não pode cobrar austeridade dos outros. Se a senhora não quer dar satisfação dos seus gastos pessoais, viage por sua conta e não com o avião presidencial e pague tudo do seu bolso, a viagem inteira.

Devemos separar o público do privado. A senhora na sua vida pessoal faça o que bem quiser, mas não viajando com o dinheiro dos brasileiros, faça isso com seu dinheiro e por sua conta...No cargo de presidente não só a senhora, mas qualquer um que estiver ocupando o cargo deve dar satisfação a seus patrôes, o povo brasileiro.

A senhora financiou por meio do BNDES o Porto de Mariel em Cuba, contradizendo o que afirmou em Davos (Suiça) de que a infraestrutura brasileira é prioridade para a Presidente brasileira. Dilma, quero lembrar que Cuba não faz parte do Brasil e não concordo com a ajuda a eles, pois em primeiro lugar devemos resolver nossos problemas e não o dos outros.

Senhora Dilma Rousseff, lembro que a senhora foi eleita para resolver mesmo que em parte, os problemas do Brasil e não os dos outros países. 

Senhora Presidente, torço para que Deus a ilumine com sabedoria e a faça repensar sua atitude que depõe contra a senhora e que Deus lhe dê sabedoria para perceber seu erro e que venha a público se desculpar pela declaração infeliz e que se realmente a viagem a Portugal foi a senhora que pagou, demonstre aos brasileiros e a senhora não será mais cobrada.

*Franco Barni (MTB 29942)

*Franco é jornalista há 19 anos, foi colunista do Correio de Lins, Jornal da Moóca, Revista Tatuapé. Trabalhou na AgipLiquigás do Brasil como Assessor de Comunicação Social



Escrito por Franco Barni às 09h24
[] [envie esta mensagem] []


 
   A segurança em Lins/sp

Caros amigos e inimigos leitores,

Não podemos fugir do assunto segurança em nossa cidade que no momento é preocupante.  Mas existem atitudes louváveis como a do linense João Luiz de Almeida que ao conversar com o vereador Geraldo Correa, conseguiu marcar uma série de reuniões para que medidas efetivas sejam tomadas para que a segurança  e a tranquilidade volte a imperar em Lins/SP.

Por algumas questões pessoais não pude ir à reunião, mas tenho a certeza de os vereadores estarão empenhados na questão. O prefeito Edgar de Souza que retornou das férias,  deu a primeira entrevista aos jornais de Lins e, prometeu tomar algumas medidas para que  a segurança retorne a cidade.

O cidadão João Luiz de Almeida, é o exemplo de cidadão que eu citei em um artigo do ano passado de que  o compromisso do cidadão não termina nas urnas ma hora em que vota. De forma civilizada, educada e séria ele pode reivindicar a solução de problemas para a sua cidade e/ou bairro quando determinados problemas afetam a sua vida e a da comunidade.

A questão da segurança, no caso afeta todo o município de Lins. O que eu quero lembrar é o seguinte: a Polícia Militar, salvo qualquer falha de memória deste que vos escreve, recebe ordens diretas do governador do estado de São Paulo e, é claro que o prefeito linense terá que se reunir com o governador do estado para resolver a questão.

Sei que nós cidadãos queremos a solução do problema o quanto antes pois a segurança em Lins está em xeque e, o prefeito e seu vice vem se empenhando para resolver os problemas da cidade que são muitos e alguns destes problemas como a segurança pública que depende da polícia militar depende do governador não só do prefeito.

Talvez uma saída interessante a fim de ajudar o prefeito Edgar de Souza junto ao Governador Geraldo Alckmin seria entregar a ele um abaixo assinado para que o senhor governador se dê conta da situação em Lins que não é diferente dos outros municípios do Estado de São Paulo. A sitação é gravve é certo. Sei que muitos de nós como cidadãos, temos o mesmo objetivo: resolver esta questão.

Como disse anteriormente, acredito e quero acreditar no prefeito e no seu empenho e esforço para encontrar soluções benéficas para a cidade. Uma ideia seria  uma comissão de no máximo seis pessoas marcar uma reunião com ele para que possamos unir forças e  juntos em uma parceria e, juntos, encontrar ideias e soluções boas para Lins/SP. O que você cidadão acha disso? Temos que nos despir de ideologias politico partidárias e vaidades pessoais para que toda a cidade ganhe. Vamos tentar?

*Franco Barni (MTB 29942)

*Franco é jornalista há 19 anos. Foi colunista do Correio de Lins, Jornal da Moóca, revista Tatuapé. Trabalhou na AgipLiquigás como Assessor de Comunicação Social.



Escrito por Franco Barni às 11h28
[] [envie esta mensagem] []


 
   A questão do Porto Mariel

"As fraldas e os políticos devem ser trocados com frequência pela mesma razão!" Eça de Queiroz

Caros amigos e inimigos leitores,

Ao receber uma revista semanal a qual sou assinante vi na página 50 que a presidente Dilma Rousseff foi a Davos, Suiça para o fórum econômico e onde a presidente brasileira afirmou que prioriza a infraestrutura de seu país, Dilma foi a capital Cubana para a inauguração do porto de Mariel. Até aí nada demais se a obra em Cuba não estivesse sendo financiada pelo BNDES e tem o custo previsto de US$ 957 milhões de dólares para nós brasileiros. Sim, para nós pois o dinheiro é nosso....arrecadado por meio dos impostos que cada brasileiro paga.

Quando a presidente Dilma Rousseff (PT) fez o discurso em Cuba, agradeceu a ajuda aos irmãos Castro por enviar médicos ao Brasil, elogiou a obra no porto Mariel, dizendo que esta terá retorno para nós (sic)...para ter retorno é preciso ter comércio e Cuba tem o embargo há muitos anos...Embargo este, criticado por Dilma em seu discurso. A presidente Dilma precisa se informar os motivos desta imposição do embargo a Cuba, pois das duas uma: Ou ela desconhece os motivos históricos e as razões do embargo comercial, ou ela fingiu desconhecer as causas. Um jornalista conhecido diz que na ilha dos Castro, há médicos sobrando e, por isso, Cuba resolveu ajudar o Brasil. Dilma financia as obras do porto Mariel, pratica a solidariedade com os países africanos perdoando a dívida deles perante o Brasil, tudo isso com o "Chapéu Alheio". Será que o Brasil está com dinheiro sobrando e o governo está escondendo?

Mostro aqui uma citação a respeito do embargo* a Cuba; "(descrito em Cuba como el bloqueo, termo em castelhano que, conforme as traduções oficiais em português, significa "embargo") é um embargo econômico, comercial e financeiro imposto a Cuba pelos Estados Unidosque se iniciou em 7 de Fevereiro de 1962. Foi convertido em lei em 1992 e em 1995. Em 1999, o presidente Bill Clinton ampliou este embargo comercial proibindo que as filiais estrangeiras de companhias estadunidenses de comercializar com Cuba, a valores superiores a 700 milhões de dólares anuais. A medida está em vigor até os dias atuais, tornando-se um dos mais duradouros embargos econômicos na história contemporânea." Fonte : Wikipédia

Há uma pergunta que não quer calar, quando estudei geografia, vi o mapa mundi, e estudei bem o mapa do Brasil, de Cuba e tudo mais, para mim ficou claro que Cuba não faz parte do território brasileiro, apesar de nos últimos anos a Europa ter mudado geograficamente por várias causas como a queda do muro de Berlin e a reunificação da Alemanha, a Extinção da  União Soviética entre outros.. Mas até onde sei, Cuba não foi anexada ao Brasil...e a Presidente afirmou categoricamente que a infraestrutura brasileira é prioridade para ela?

Caros leitores, não contra o Brasil emprestar dinheiro  e nem que financie obras em outros países mas, não acredito que no momento estamos em condições de fazer isso e não é hora com os problemas sérios que temos internamente, os como os que citamos aqui de infraestrutura, saúde, moradia, segurança, educação.

Antes de qualquer Petista fervoroso atirar pedras, flechas, tijolos e tudo mais, veja a situação que o país está, olhem os escândalos do mensalão e CIA....Antes de me criticar pensem com a razão e encarem a verdade....O que acontece com a corrupção certamente não é exclusividade deste ou daquele partido mas, não me lembro de ver uma situação de tantos escândalos como nos últimos anos. 

Independentemente de ideologias partidárias e de partidos, é hora e passou já da hora, de se deixar as vaidades pessoais e políticas de lado para o bem do pais e fazer sem nenhuma demagogia barata investimentos pesados em áreas que estão na UTI de tão ruim que estão. A situação é gravíssima.

O que foi gasto na Copa do Mundo até aqui, poderia ter sido investido em todas as áreas problemáticas que estamos cansados de saber quais são. Nâo podemos pensar em copa do mundo enquanto tem hospitais sem leito, caindo aos pedaços, uma Educação falida e um sistema de infraestrutura que está morto e não atende mais as necessidades e que formam verdadeiros gargalos para a exportação do Brasil. Antes de criticar a mim pensem seriamente na situação em que estamos.

*Franco Barni (MTB 29942)

*Franco é jornalista há 19 anos. Foi colunista do Correio de Lins, Jornal da Moóca, revista Tatuapé. Trabalhou na AgipLiquigás como Assessor de Comunicação Social.

*Se voê leitor, tem alguma dúvida a respeito do embargo a Cuba, eis o Link para ler a respeito. Vale lembrar que é sempre interessante buscar mais de uma fonte de pesquisa para complementar informações:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Embargo_dos_Estados_Unidos_a_Cuba   



Escrito por Franco Barni às 08h59
[] [envie esta mensagem] []


 
   O fim das torcidas organizadas resolve?

Caros amigos e inimigos leitores,

é notável ainda mais nos últimos tempos, a violência nos estádios de futebol e não é de hoje que isso acontece aqui no Brasil. Em artigo anterior comentei que desde metade dos anos 1980 para cá, a violência é crescente entre as torcidas seja do mesmo time, seja de clubes diferentes.
Recentemente mostraram num jogo do São Paulo a briga entre torcedores do seu time, e sobrou até para quem não estava envolvido como um menino e o pai dele, é no mímino absurdo. Este comportamento violento afasta cada vez mais o torcedor do estádio. O mais grave é que o Brasil está as vésperas de sediar a Copa do Mundo e como quer fazer isso sem garantir a segurança do público? Ninguém vai ver um jogo ao vivo para correr o risco de apanhar ou ainda levar um tiro.
Esta violência nos estádios, não é exclusividade na torcida um time ou de outro, ocorre se não for em todas, na maioria delas. Acabar com as torcidas organizadas é como tirar o sofá da casa quando o marido descobre que está sendo traído. Não vai resolver.
Acabando com a torcida que tem um determinado nome, esta pode voltar com outro. O que é preciso na verdade é ter uma lei no papel e aplicá-la. Não adianta ter o estatuto do torcedor e este ficar apenas no papel.
A Inglaterra teve problemas com os Hooligans há alguns anos e se o problema não foi resolvido na sua totalidade o fato é que os esta torcida não causa mais problemas como antes.
Pergunto aqui o que o Brasil está esperando para resolver o problema? De quantos mortos e feridos as autoridades precisam para acordar e solucionar esta grave situação de violência nos Estádios?
No meu ponto de vista e ao meu entender não adianta tomar medidas paleativas e que não vão resolver o problema. As medidas que vão ajudar na questão é ter leis rigidas e usá-las, não adianta criar as leis e não aplicá-las para quem quer que seja.
A Copa do Mundo é no ano que vem e com estas atitudes por parte das torcidas, qual é a imagem que vão ter do Brasil no exterior? É certo que os estrangeiros tenham uma imagem negativa do país por causa de alguns vândalos que vão aos estádios com o único propósito de arrumar confusão?
Temos que rever nossas atitudes perante nós mesmos e a sociedade, o bom senso deve prevalecer  e se faz necessário acabar com este problema que está tirando torcedores dos estádios.
Não adianta punir os clubes e as suas respectivas torcidas com a perda do mando de jogo, ou ainda,  deixar os times jogarem sem o público, pois estas soluções não tem se mostrado muito eficazes. É hora de por os brigôes na cadeia e que tenham que cumprir pena, só assim poderemos encontrar o caminho para acabar com a violência dentro e fora dos estádios.


*Franco Barni (MTB 29942)

*Franco é jornalista há 18 anos.


Escrito por Franco Barni às 12h13
[] [envie esta mensagem] []


 
   Devemos lembrar dos erros para não esquecer a lição aprendida

Caros amigos e inimigos leitores,

Há 19 anos, aconteceu um fato que para mim foi motivo de vergonha de estar estudando jornalismo. Em março de 1994, a imprensa divulgou amplamente reportagens sobre seis pessoas que estariam envolvidas no abuso sexual de crianças, alunas da Escola Base, localizada no bairro da Aclimação, em São Paulo (capital).
Os órgãos de imprensa basearam-se  nas informações das fontes oficiais (polícia e laudos médicos) e em depoimentos de pais de alunos. De forma tardia, foi descoberto que se tratava de um engano, de um grave erro. O atraso da informação de que era um erro, não evitou que a escola fosse depredada, a falência dos donos e as ameaças anônimas de morte por telefone.
Lembro-me muito bem daquele dia que vi a primeira notícia sobre o caso, tinha acabado de chegar em casa e havia ligado a televisão para ver as notícias do dia. Fiquei espantado e em estado de choque, pois tinha acreditado na informação, como muitos telespectadores.
Dias depois, quando a informação  foi desmentida, fiquei perplexo pois pensei como a polícia divulga para a imprensa uma ocorrência sem concluir a investigação?  E a imprensa de que maneira publica uma notícia sem checar os fatos milhares de vezes, sem investigar? Me envergonhei da profissão por algum tempo pois as pessoas quando sabiam que eu era na época um estudande de jornalismo, comentavam de forma hostil o erro da imprensa.
Durante aqueles dias, fiquei pensando muito a respeito e quase deixei o curso tamanha era a hostilidade das pessoas e a vergonha que senti por causa desse erro grotesco.
Não esqueço esse caso, pois o tenho como péssimo exemplo de jornalismo e de como as noticias falsas ou divulgadas com erro como foi caso da escola Base, podem prejudicar as pessoas, a vida delas. Minha conclusão deste fato? É que lidar com informação exige muita responsabilidade e que ela deve ser checada muitas vezes, com várias fontes e, mesmo assim, corremos o risco de errar por isso, devemos revisar as informações, confirmar novamente para diminuir ao máximo a probabilidade de errar e prejudicar alguém.
Claro que após este episódio, a imprensa tornou-se mais cautelosa, amadureceu e melhorou. A verdade é que as fontes deste caso da escola, passaram as informações erradas, a imprensa acreditou cegamente e publicou a notícia.
 Caros leitores, não vou julgar, condenar e crucificar ninguém, isso cabe a Deus. Mas acredito que todos devemos tirar uma  grande lição deste caso e nunca deixá-lo cair no esquecimento pois quando as pessoas por alguma razão se precipitam nesta profissão perde muito, até no lado pessoal. A ganância por divulgar em primeira mão um acontecimento, deve dar lugar ao equilíbrio, a seriedade, e deve-se desconfiar sempre de uma informação até ela ser confirmada como verdadeira. Quanto mais seriedade e responsabilidade com a noticia, maiores serão as chances do jornalista ter credibilidade e divulgar uma notícia em primeira mão é consequência desta credibilidade.
A última informação que tenho sobre os donos da escola Base, foi divulgada pelo site Terra, no dia 16 de setembro de 2005 sob o título "Caso Escola Base: Globo terá que pagar R$ 1,35 mi." para reparar os danos morais sofridos pelos donos e motorista da Escola Base, Icushiro e Maria Aparecida Shimada e Mauricio Monteiro de Alvarenga cada um deve receber  o equivalente a 1,5 mil salários mínimos (R$ 450 mil) na época, a Globo informou o site a época que por questões jurídicas não iria se manifestar mas, que iria recorrer.
Segundo o site terra,  os jornais O Estado de São Paulo, Folha de São Paulo e a revista IstoÉ, também haviam sido condenados em todos os casos já julgados e que não tinham na época desta notícia decisões do Superior Tribunal de Justiça.
Este caso, eu torço para que as faculdades de jornalismo o usem como exemplo do que um veículo de comunicação não deve fazer e que um jornalista deve sempre tomar cuidado com as informações e checá-las sempre para que erros como estes nunca mais se repitam para que outras pessoas não sejam prejudicadas no futuro.

*Franco Barni (MTB 29942)
*Franco é jornalista há 18 anos


Escrito por Franco Barni às 12h09
[] [envie esta mensagem] []


 
   Medidas mais eficazes para o transporte público

No final dos anos de 1990 a cidade de São Paulo adotou o rodizio municipal de veículos com a finalidade de tirar carros das ruas e melhorar o trânsito da capital paulista nos horários de pico, ou seja, quando o trânsito é mais pesado.
Desde o começo sempre fui contra pois é uma medida paliativa e para esconder a falta de investimentos e eficiência no transporte público e a política errada de favorecer o transporte individual em detrimento do coletivo.
O rodízio municipal de veículos consiste no seguinte: num determinado dia da semana,  carros com  dois finais de placa deixam de circular nos horários determinados, por exemplo os finais de placas 1 e 2 não circulam as segundas das sete às dez da manhã e  das cinco às oito da noite, as terças os finais 3 e 4 nos mesmos horários citados. e assim sucessivamente para o resto da semana, menos aos sábados e domingos.
Disse anteriormente, o rodízio é uma medida paliativa e que esconde a ineficiência do transporte público, de que maneira? Vemos na cidade de São Paulo, como as linhas dos ônibus não beneficiam toda a cidade como deveriam, os empresários querem as linhas mais lucrativas, o metrô está deficitário, não abrangendo toda a cidade, há a eterna  rivalidade entre os donos de vans e de empresas de ônibus, o que não ajuda em nada a população da capital paulista.
O rodízio  de veículos é a coisa mais fácil do mundo  de driblar, quem pode compra um segundo carro com um final de placa diferente ou ainda, pode sair antes do inicio do rodizio, chegando em seu destino antes do horário em que entra em vigor.
Na minha opinião, a melhor maneira de tirar carros das ruas da capital paulista, é melhorar e muito o transporte público.
Aqui deixarei algumas sugestões. É preciso investir pesado na expansão do metrô, o mais  rápido possível. Aumento da frota de ônibus, seja para as linhas existentes, seja para as novas linhas que precisam ser criadas.
Integração entre, metrô, ônibus, micro ônibus e vans, pois estes dois últimos veículos podem fazer itinerários que ônibus não pode passar. Ao fazer esta integração incluindo os trens da CPTM e melhorando todos eles, tenho quase certeza de que  a maioria da população da cidade de São Paulo, deixarão o carro em casa, o que resultaria em menos automóveis circulando pelas ruas, menos trânsito, diminuição do consumo de combustível e do tempo gasto nos trajetos usados pelos motoristas.
Que tal as autoridades pensarem e debaterem o assunto?


*Franco (MTB 29942)

*Franco é jornalista a 18 anos


Escrito por Franco Barni às 12h06
[] [envie esta mensagem] []


 
   A greve dos professores e as manifestações

Caros amigos e inimigos leitores,

Por inúmeras vezes, seja em meus artigos, seja nas conversas informais eu sempre disse a todos que em uma democracia, todos temos o direito de nos manifestar e reivindicaro que for justo, procedente, dentro da lei e sem prejudicar ninguém, sem atos de vandalismo.
Sou solidário aos professores no que se refere a valorização de seu trabalho e que tenham uma remuneração adequada e justa e não da maneira como é hoje que o professor não está sendo valorizado e nem recebendo uma remuneração adequada.
A greve dos professores do Rio de Janeiro que dura mais de 60 dias, reivindicando salários adequados e tudo mais, com certeza eles vão ter a solidariedade dos brasileiros mas, o que eu pergunto é o seguinte: é justo prejudicar alunos das escolas fazendo-os perder o ano por causa da manifestação e a greve que a categoria está promovendo? Lógico que não, pois alguns irão perder um ano e outros, além de perder um ano, correm o risco de ficar sem a vaga na faculdade. O direito de cada um, termina onde começa o do outro.
Reivindicar e se manifestar quando é justo e for lícito eu concordo, o que não compactuo é que independente de quem seja, ninguém tem o direito de prejudicar o próximo. Os professores em greve estão prejudicando inúmeros alunos.
Quando as pessoas promovem manifestações, passeatas e tudo mais, devem fazê-lo dentro da lei, sem prejudicar o direito de ir e de vir das pessoas, pois a constituição nos garante a liberdade de deslocamento ao cidadão e, ninguém pode tirar essa liberdade de ninguém.
Recentemente, passamos por uma greve dos bancários, a maioria da população não me parece certo prejudicar os outros em favor de uma minoria, existem muitas formas de se reivindicar as coisas e o que é certo.
As manifestações dos últimos dias vem sendo marcadas pelos confrontos entre policia e manifestantes. Devo salientar que pode haver que se aproveita da das passeatas para promover vandalismos mas, independente disso, a partir do momento que as pessoas promovem quebra quebra, entre outros atos de violência e depredação, os manifestantes perdem a razão de reivindicar. Danificar o patrimônio público e/ou particular não é correto e quem cometeu estes atos de vandalismo deve ser preso e punido.
Quando chegará o dia em que as pessoas saberão se manifestar dentro da ordem, da lei e do respeito?

*Franco Barni (MTB29942)
*Franco é jornalista há 18 anos.


Escrito por Franco Barni às 12h01
[] [envie esta mensagem] []


 
   Redução da maioridade, só isso resolve?

Caros amigos e inimigos leitores,

O suposto caso de estupro na escola de Lins/SP, cidade onde moro, me faz pensar a respeito da redução da maioridade e reforça para mim a maneira como deve ser mudada a constituição. Mas vamos relatar brevemente o que aconteceu na escola linense. Durante o intervalo, 4 meninos de 13 anos arrastaram uma menina de 12 anos ao banheiro masculino e a violaram. Um outro garoto percebeu a movimentação estranha e chamou funcionários da escola que por sua vez chamaram a polícia e que resultou numa investigação.
Isso mesmo, os meninos tem 13 anos. Quer dizer, estão cientes do que estão fazendo. O que acontece atualmente? A polícia é chamada e o conselho tutelar também e o que vai acontecer com esses garotos? Provavelmente irão à Fundação CASA (antiga FEBEM) e vão provavelmente cumprir pena sócio educativa e, aos 18 anos a ficha deles estará limpa, uma vez que cumpriram sua pena.
Você leitor, tenho quase certeza de que não concorda com isso. A gravidade da situação, deveria impor uma pena mais severa para estes meninos de 13 anos. Os pais deixam seus filhos na escola, e vão tranquilos ao seu trabalho imaginando que suas crianças estarão bem e seguras na escola e, de repente, recebem uma ligação da diretora,  informando que sua filha de 12 anos foi estuprada no banheiro da escola por meninos de 13 anos. Como você reagiria com isso? Com revolta, indignação e, com certeza, vai querer uma punição exemplar por parte  do colégio e que a lei seja aplicada. É o normal. Mas, infelizmente, os meninos não estarão com sua ficha suja ao chegar a maioridade.
Como disse no começo deste artigo, esse caso se encaixa perfeitamente no exemplo que eu considero ideal na minha opinião. E qual seria? Vejamos os seguintes exemplos: Inglaterra e Estados Unidos, o menor de idade que age e comete um crime hediondo como o estupro, a promotoria considera que o menino sabia o que estava fazendo e agiu como um adulto então ele encaminha uma moção ao Juíz para julgar o menor infrator como um adulto, sendo que na Inglaterra, 10 anos, dependendo de cada caso, o juiz é que vai determinar a maneira do julgamento, de acordo com informações que tive (Fonte: Wikipedia (pesquisar como maioridade penal na Inglaterra)).
Acredito que no Brasil não adianta apenas reduzir a maioridade penal para 16 anos, pois aí vai apenas transferir o problema porque então o menor de 15 anos vai assumir a culpa, dizendo que "é de menor", e vai continuar do jeito que está.
Em resumo, o exemplo da Inglaterra e EUA  deve servir de exemplo ao Brasil. Estes dois países têm a maioridade penal mas como expliquei anteriormente, o promotor pede ao juíz para avaliar o caso e que o menor deve ser julgado como adulto, como em casos de estupro.
É hora de reformular as leis e não adianta elas existirem no papel, devem ser aplicadas, independentemente de quem quer que seja a pessoa e/ou sua origem. Pensem nisso.

*Franco Barni (MTB 29942)


Escrito por Franco Barni às 11h59
[] [envie esta mensagem] []


 
   A Segurança Pública Na UTI

Caros amigos e inimigos leitores,

há alguns anos se fala na lei do desarmamento no Brasil como forma de combate a violência e que desarmando a população os assassinatos, assaltos, latrocínios irão diminuir. Não é bem assim existe um certo mito neste caso e um equivoco.
Existem armas roubadas, com a numeração raspada,  metralhadoras, AR 15 assim como munições e outros armamentos no mercado negro que não são encontrados nas lojas especializadas que funcionam dentro da lei.
Cabe aqui e é minha função trazer esclarecimentos para as pessoas que não sabem como ter uma arma legalmente em casa e garanto que existe um controle rigoroso para isso, mesmo para comprar a munição da arma legalizada o controle é rígido.
Para ter o o porte de arma é preciso passar por exames como o psicotécnico, é necessário justificar a necessidade e o motivo a qual a pessoa está tirando o porte de arma. O candidato vai passar por exame prático, isto é, o manuseio da arma, como carregá-la, limpá-la enfim, tudo o que for referido ao uso da mesma. É exigido também o atestado de antecedentes criminais do candidato.  Caso o pretendente ao porte de arma seja reprovado, tenha antecedentes criminais, o porte é negado.
Caso o candidato seja aprovado, ao receber o porte, pode ir a uma loja especializada comprar sua arma, que não é entregue na mesma hora, leva alguns dias para poder passar pelo processo burocrático necessário, como confirmação do porte, tirar a licença de transporte e registro da arma e tudo mais, enquanto isso é feito, o revólver ou outro tipo de arma, fica sob custódia da loja.  Toda essa parte burocrática passa pela polícia e exército.
Passado o processo, ao receber a arma, o comprador vai comprar a munição, a loja exige os documentos necessários como o porte, os documentos do comprador, comprovante de residência. A loja descrimina em documentos próprios o tipo de munição comprada, quem comprou, a marca e a quantidade. Em resumo, o controle e a fiscalização são rigorosos.
Um dado interessante e que vem acontecendo já há alguns anos é que enquanto o número de pessoas com  a posse legal das armas de fogo vem diminuindo a cada ano, a violência vem aumentando. Esses dados não sou eu que estou informando, vem de veículos especializados e, que realizaram pesquisas sobre o assunto. Curioso isso, não é?
Mas, então de onde vem as armas usadas no crime e como bandidos tem acesso a armas de fogo já que o controle é tão rigoroso para se ter uma arma legalmente? O leitor pode perguntar. A resposta é uma só, são armas que são compradas na ilegalidade, contrabandeadas, muitas armas são de uso restrito das forças armadas e ou polícia e, com certeza, não são compradas nas lojas especializadas que vendem armas legalmente mas que são permitidas para o uso civil. As armas de uso militar não são vendidas nessas lojas e os fabricantes entregam diretamente ao exército e a polícia.
Os criminosos as conseguem com contrabandistas e pessoas que provavelmente as roubam das forças armadas ou antes que este armamento seja entregue ao seu destino, eu presumo.
Sou totalmente contra a campanha do desarmamento da população pois esta campanha existe em minha opinião porque é mais fácil desarmar o cidadão de bem que não vai reagir, não vai atirar nos agentes da lei, ao contrário dos contrabandistas das armas proibidas e criminosos, e assim, desarmando a população, é economicamente mais barato do que montar várias operações de combate ao tráfico ilegal de armas. Claro que as autoridades vão escolher o caminho mais economico de combate a violência, e fazendo a população acreditar que é a sua arma que provoca e gera a violência e o assalto.
Não adianta desarmar o país enquanto as autoridades não combaterem de forma eficaz o contrabando de armas, ter leis duras para o crime e que estas leis sejam aplicadas e faça com que os criminosos cumpram as penas aplicadas a eles.
Tem uma coisa a se explicar, a arma não é ruim e nem boa, é quem a segura que faz o uso bom o ruim dela, como o carro, o martelo, a faca de cozinha, uma garrafa, o vidro...e tudo mais. Somos nós que fazemos o bom o o mau uso destes objetos que podem ou não ser mortais.
Algumas vezes, vejo notícias sobre mortes de crianças que se mataram com arma de fogo. Todos nós sabemos como as crianças são curiosas e é claro que elas  não tem tem noção do perigo que estas armas oferecem e vão mexer nelas. Na minha opinião, qual é o melhor caminho? É tirar a curiosidade da criança na hora certa, assim como meu pai fez com a gente. Meu saudoso pai teve porte de arma e possuia arma de fogo por vários anos, eu era pequeno e me lembro bem que ele já tinha revolver de forma legal,com o porte de arma tudo mais.
Chegou um dia, que meu pai chamou um amigo da polícia e juntos nos levaram a uma escola de tiro e meu pai e o amigo dele explicou para nós três o funcionamento da arma de fogo, tirando a curiosidade dos três jovens. O policial mostrou um alvo com furos de bala e ele nos disse que o furo no alvo  tinha sido feito por balas de uma pistola e que se fosse uma pessoa, a bala poderia causar ferimentos fatais e que por isso, não deveríamos mexer em uma arma.
O fato é que nós nunca mexemos no revolver que meu pai tinha e estamos todos bem. Sou a favor de que os pais expliquem aos filhos o funcionamento de uma arma, o que ela pode fazer e as consequências de mexer nelas sem saber como. Como eu disse, as armas não são boas, nem ruins, tudo depende de quem as usa, se for para o bem ou para o mal.
Respeito quem não gosta de armas de fogo, é um direito e uma escolha de cada um ter ou não mas, devemos lembrar que o bom ou mau uso, depende das pessoas.
O automóvel se usado com impericia também pode se transformar em uma máquina de matar, assim como o martelo, a chave de fenda, a faca de cozinha, o espeto de churrasco, a garrafa de cerveja, o caco de vidro...é o ser humano que faz o uso correto, ou mortal das ferramentas e/ou objetos a sua volta.
Quero sugerir as autoridades, que revejam seu ponto de vista e que combatam o contrabando e a criminalidade, não adianta desarmar o cidadão de bem enquanto a criminalidade e a violência aumentam a cada dia. As leis de combate ao crime precisam mudar urgentemente e estas precisam ser aplicadas. É preciso acabar com a triste fama de país da impunidade que nosso Brasil tem.  Que tal reavaliarmos nosso ponto de vista sobre o desarmamento?

*Franco Barni (MTB 29942)

*Franco Barni é jornalista a 18 anos




Escrito por Franco Barni às 11h56
[] [envie esta mensagem] []


 
   A VIOLÊNCIA NOS ESTÁDIOS, QUANDO VAI PARAR?

Caros amigos e Inimigos leitores,
Se não me falha a memória, desde a metade dos anos de 1980, a violência vem aumentando nos estádios brasileiros. Lembro-me no final dos anos 1970 começo dos anos 1980 (este que vos escreve era adolescente) era tranqüilo ir ao Estádio ver o jogo de seu time e quando o jogo acabava, era uma saída calma, sem maiores ou muitos problemas. Sim, poderia ter um desentendimento ou outro mas, não se compara aos dias de hoje, se teve algo caso mais grave, não me lembro. Mais ou menos por volta de 1985 pode ser um pouco antes ou depois, a violência foi crescendo, aumentando e ficando cada dia pior, me afastei dos estádios por conta disso. O último jogo que eu vi, me lembro bem, Foi Brasil e Polônia, no estádio do Morumbi, na época jogava Zico na seleção entre outros grandes jogadores Brasileiros e, a Polônia tinha o Grande jogador de nome Lato, claro que fui torcer e ver de perto o time brasileiro, mas queria ver também o jogador polonês Lato, pois não sabia se teria outra oportunidade de ver  ao vivo um craque estrangeiro jogar em nossos campos.
Após este jogo da seleção canarinho, eu nunca mais pisei num estádio pois a violência começou a ficar demais e exagerada.
Recentemente numa decisão do futebol junior da taça São Paulo sendo que a decisão foi no estádio do Pacaembu na capital paulista, o jogo acabou lamentávelmente em briga, e se não me falha a memória houve, além dos feridos, houve mortos.
 Existiram, inúmeras brigas depois disso, com várias torcidas ai a justiça colocou um tribunal móvel dentro dos estádios para resolver a questão das brigas. Infelizmente, eu não vi muito resultado nisso. O certo seria processar quem organiza essas brigas de torcidas e por os "briguentos" presos por um ano ou dois e dobrar a pena na reincidência.
Alguèm vai dizer "não resolve"!  Então como voce me explica que a Inglaterra resolveu o problema com os Hooligans, e a europa também resolveu o a questão. Claro que uma briga ou outra sai mas não está mais no nível que está aqui no Brasil.
Recentemente vimos vários casos de violência contra jogadores no Palmeiras, como Vagner Love entre outros e há pouco tempo contra o goleiro alviverde quando o palestra voltava de um jogo da Libertadores fora do país. Já o Corinthians por sua vez, acabou matando um adolescente boliviano com um sinalizador. Apesar de os autores terem sido presos na Bolivia, um menor de 18 anos (se não me falha a memória tem 16 anos) quando voltou ao Brasil assumiu a responsabilidade e alegou que não foi intencional e tudo mais, a mesma balela de sempre....Não vou julgar, não estou aqui pra isso,  e não sou Deus e nem Jesus Cristo pra isso, aliás por sinal, Jesus nunca o fez! Mas, na minha opinião ele foi instruido por alguém a assumir a culpa, por quê? Porque ai ele vai para uma fundação Casa da vida (pra mim continua sendo Febem e mudaram o nome para Inglês ver) e, quando ele atingir a maioridade, a ficha dele não estará maculada! Gente, é preciso rever de forma séria e centrada a legislação do Brasil, pois a que está aí é ultrapassada! Eu vou além, não adianta criar leis severas, e ai um "Zé Bonitinho da vida", se livra da lei por que tem dinheiro, ou é alguém importante. É hora de acabar - aliás, passou da hora - com a impunidade e a famosa retórica do "Você sabe com quem está falando"? Vejamos os EUA, lá quem tem algum desvio de conduta, comete algum tipo de infração e/ou viola as leis, é preso e pode responder a inquérito dependendo do tipo de crime, e ainda passar um bom tempo na cadeia. Seja rico, classe média, pobre etc.
Só para constar, um bom exemplo vem dos EUA, que independente da classe social,fama, se é politico ou não, rico ou pobre, a pessoa que cometeu um crime vai presa e responde pelos seus atos e se condenado, fica preso. No caso de assassinato há alguns Estados americanos que tem a pena de morte e/ou perpétua, em outros apenas a prisão perpétua, e até onde eu sei, não há os beneficios que tem aqui no Brasil. O menor não fica com a ficha criminal limpa após atingir a maioridade ao contrário do Brasil. E tem mais uma coisa, se o menor de idade cometer crime bárbaro, como um adulto, o juiz pode pedir para a corte superior para julgá-lo como um adulto.
O Brasil não deve apenas a maioridade penal, como por exemplo para 16 anos, pois aí vão pedir para o de  14 ou de 15 anos assumir a culpa....Gente isso é óbvio!
Quanto a violência nos estádios, tema deste artigo, é preciso penalizar de verdade o torcedor que vai ao estádio para arrumar briga, confusão, ou ainda matar, torço pelo fim das torcidas organizadas. Não adianta criar leis rígidas e não aplicá-las! É preciso aplicar a lei, condenar e prender quem age contra ela! Com o temor da lei ser aplicada, e com a certeza da punição é que a violência dentro e fora dos estádios vai diminuir bastante! Vamos pensar nisso?
Franco Barni*
* MTB 29942, Formado em Comunicação Social (Habilitação Jornalismo),



Escrito por Franco Barni às 11h53
[] [envie esta mensagem] []


 
   A Greve dos Bancos

Caros amigos é inimigos leitores,

Estamos vivendo em um país democrático e reivindicar algo é justo desde que seja procedente mas deve ser feito dentro da lei, da ordem e sem prejudicar ninguém.
Entendo que possa ser justo o que os bancários queiram reivindicar melhorias salariais para a classe mas, o que não concordo é a maneira como está sendo feito o movimento que está prejudicando um número sem fim de clientes sejam eles pessoas físicas (pessoas como eu e você) e pessoas jurídicas (empresas).
Certa vez ouvi um advogado, infelizmente não me lembro o nome dele, mas ele disse algo interessante. "O direito de cada um, termina onde começa o do próximo." Neste caso da classe dos bancários, eles tem todo o direito de reivindicar, mas devem se lembrar que o direito deles, termina onde começa o nosso, temos que ser justos e essa máxima se aplica a todos nós sem excessão. Uma categoria não pode parar e prejudicar milhões e milhôes de pessoas, sou solidário a reivindicação deles, mas não a forma como  a estão fazendo.
Em 1997 estive na Itália e durante a minha estada, o transporte público entrou em greve por melhores salários mas, a classe não deixou a cidade de Roma a pé sem transporte público, mesmo que devagar os ônibus, metrô, trens metropolitanos continuaram funcionando, em resumo fizeram suas reivindicações procurando afetar o menos possivel a mobilidade do cidadão.
Não estou aqui para crucificar, nem julgar ninguém mas apenas pedir para que as classes como no caso a dos bancários façam suas reivindicações mas por favor gente, tentem prejudicar o menos possivel o cidadão brasileiro. Sei que existe o caixa eletrônico mas nem tudo pode ser resolvido por lá, concordam? Da mesma maneira que tentamos entender o lado de voces, tentem entender o nosso lado.
Torço para que a minha mensagem tenha sido clara e que vocês brasileiros lutadores comos todos nós possam entender também nosso lado e boa sorte a voces!

Franco Barni* (MTB 29942)
*Franco Barni é jornalista


Escrito por Franco Barni às 11h47
[] [envie esta mensagem] []


 
   O desarmamento é o caminho contra a violência?

Caros amigos e inimigos leitores,

há alguns anos se fala na lei do desarmamento no Brasil como forma de combate a violência e que desarmando a população os assassinatos, assaltos, latrocínios irão diminuir. Não é bem assim existe um certo mito neste caso e um equivoco.
Existem armas roubadas, com a numeração raspada,  metralhadoras, AR 15 assim como munições e outros armamentos no mercado negro que não são encontrados nas lojas especializadas que funcionam dentro da lei.
Cabe aqui e é minha função trazer esclarecimentos para as pessoas que não sabem como ter uma arma legalmente em casa e garanto que existe um controle rigoroso para isso, mesmo para comprar a munição da arma legalizada o controle é rígido.
Para ter o o porte de arma é preciso passar por exames como o psicotécnico, é necessário justificar a necessidade e o motivo a qual a pessoa está tirando o porte de arma. O candidato vai passar por exame prático, isto é, o manuseio da arma, como carregá-la, limpá-la enfim, tudo o que for referido ao uso da mesma. É exigido também o atestado de antecedentes criminais do candidato.  Caso o pretendente ao porte de arma seja reprovado, tenha antecedentes criminais, o porte é negado.
Caso o candidato seja aprovado, ao receber o porte, pode ir a uma loja especializada comprar sua arma, que não é entregue na mesma hora, leva alguns dias para poder passar pelo processo burocrático necessário, como confirmação do porte, tirar a licença de transporte e registro da arma e tudo mais, enquanto isso é feito, o revólver ou outro tipo de arma, fica sob custódia da loja.  Toda essa parte burocrática passa pela polícia e exército.
Passado o processo, ao receber a arma, o comprador vai comprar a munição, a loja exige os documentos necessários como o porte, os documentos do comprador, comprovante de residência. A loja descrimina em documentos próprios o tipo de munição comprada, quem comprou, a marca e a quantidade. Em resumo, o controle e a fiscalização são rigorosos.
Um dado interessante e que vem acontecendo já há alguns anos é que enquanto o número de pessoas com  a posse legal das armas de fogo vem diminuindo a cada ano, a violência vem aumentando. Esses dados não sou eu que estou informando, vem de veículos especializados e, que realizaram pesquisas sobre o assunto. Curioso isso, não é?
Mas, então de onde vem as armas usadas no crime e como bandidos tem acesso a armas de fogo já que o controle é tão rigoroso para se ter uma arma legalmente? O leitor pode perguntar. A resposta é uma só, são armas que são compradas na ilegalidade, contrabandeadas, muitas armas são de uso restrito das forças armadas e ou polícia e, com certeza, não são compradas nas lojas especializadas que vendem armas legalmente mas que são permitidas para o uso civil. As armas de uso militar não são vendidas nessas lojas e os fabricantes entregam diretamente ao exército e a polícia.
Os criminosos as conseguem com contrabandistas e pessoas que provavelmente as roubam das forças armadas ou antes que este armamento seja entregue ao seu destino, eu presumo.
Sou totalmente contra a campanha do desarmamento da população pois esta campanha existe em minha opinião porque é mais fácil desarmar o cidadão de bem que não vai reagir, não vai atirar nos agentes da lei, ao contrário dos contrabandistas das armas proibidas e criminosos, e assim, desarmando a população, é economicamente mais barato do que montar várias operações de combate ao tráfico ilegal de armas. Claro que as autoridades vão escolher o caminho mais economico de combate a violência, e fazendo a população acreditar que é a sua arma que provoca e gera a violência e o assalto.
Não adianta desarmar o país enquanto as autoridades não combaterem de forma eficaz o contrabando de armas, ter leis duras para o crime e que estas leis sejam aplicadas e faça com que os criminosos cumpram as penas aplicadas a eles.
Tem uma coisa a se explicar, a arma não é ruim e nem boa, é quem a segura que faz o uso bom o ruim dela, como o carro, o martelo, a faca de cozinha, uma garrafa, o vidro...e tudo mais. Somos nós que fazemos o bom o o mau uso destes objetos que podem ou não ser mortais.
Algumas vezes, vejo notícias sobre mortes de crianças que se mataram com arma de fogo. Todos nós sabemos como as crianças são curiosas e é claro que elas  não tem tem noção do perigo que estas armas oferecem e vão mexer nelas. Na minha opinião, qual é o melhor caminho? É tirar a curiosidade da criança na hora certa, assim como meu pai fez com a gente. Meu saudoso pai teve porte de arma e possuia arma de fogo por vários anos, eu era pequeno e me lembro bem que ele já tinha revolver de forma legal,com o porte de arma tudo mais.
Chegou um dia, que meu pai chamou um amigo da polícia e juntos nos levaram a uma escola de tiro e meu pai e o amigo dele explicou para nós três o funcionamento da arma de fogo, tirando a curiosidade dos três jovens. O policial mostrou um alvo com furos de bala e ele nos disse que o furo no alvo  tinha sido feito por balas de uma pistola e que se fosse uma pessoa, a bala poderia causar ferimentos fatais e que por isso, não deveríamos mexer em uma arma.
O fato é que nós nunca mexemos no revolver que meu pai tinha e estamos todos bem. Sou a favor de que os pais expliquem aos filhos o funcionamento de uma arma, o que ela pode fazer e as consequências de mexer nelas sem saber como. Como eu disse, as armas não são boas, nem ruins, tudo depende de quem as usa, se for para o bem ou para o mal.
Respeito quem não gosta de armas de fogo, é um direito e uma escolha de cada um ter ou não mas, devemos lembrar que o bom ou mau uso, depende das pessoas.
O automóvel se usado com impericia também pode se transformar em uma máquina de matar, assim como o martelo, a chave de fenda, a faca de cozinha, o espeto de churrasco, a garrafa de cerveja, o caco de vidro...é o ser humano que faz o uso correto, ou mortal das ferramentas e/ou objetos a sua volta.
Quero sugerir as autoridades, que revejam seu ponto de vista e que combatam o contrabando e a criminalidade, não adianta desarmar o cidadão de bem enquanto a criminalidade e a violência aumentam a cada dia. As leis de combate ao crime precisam mudar urgentemente e estas precisam ser aplicadas. É preciso acabar com a triste fama de país da impunidade que nosso Brasil tem.  Que tal reavaliarmos nosso ponto de vista sobre o desarmamento?

*Franco Barni (MTB 29942)

*Franco Barni é jornalista a 18 anos


Escrito por Franco Barni às 11h45
[] [envie esta mensagem] []


 
   Violência, porque as autoridades não tomam medidas urgentes

 

Caros amigos e inimigos leitores,

Vendo as notícias nos jornais, revistas, rádio e televisão, o que eles tem em comum? O aumento de reportagens sobre a violência e a nítida impressão de que a criminalidade de todo o tipo aumentou. Desde os assaltos ao comércio, bancos, até latrocínios (assalto seguido de morte).
Caros amigos, só posso dizer uma coisa, que está demais e a sensação de insegurança também está alta.
Pergunto aqui para as autoridades, no caso os prefeitos, governos estaduais e federal, o que eles estão fazendo a respeito? Tenho a nítida impressão de que a inércia total está imperando por parte deles, salvo qualquer engano. Com a palavra estas autoridades para esclarecer a população, acredito que todos nós sem excessão merecemos ser informados do que está sendo feito e sobre as ações futuras, pois do jeito que está não dá para continuar.
Garanto que vocês leitores, se não foram vítimas de roubo, conhecem alguém próximo, ou ainda tem um parente que sofreu com este tipo de violência. Onde nós vamos parar?
Este ano, a Constituição completa 25 anos, mas não vejo muito o que comemorar, principalmente no que se refere a parte que trata da criminalidade pois o bandido é tratado como vítima e o cidadão de bem é tratado como culpado, por ser honesto e levar uma vida digna e pelo fado de  existirem bandidos que não tiveram a mesma sorte e chance na vida de serem uma pessoa de bem. Mas até onde sei, a vida é feita de escolhas e, cada um segue o caminho de acordo com seu livre arbítrio sofrendo as consequências de suas escolhas, sejam boas ou ruins.
Se a criminalidade aumentou, é fruto das leis fracas que estão aí que em pouco tempo soltam o infrator, para que este cometa novos crimes. Acho um absurdo que um presidiário tenha salvo conduto de natal, dia dos país e das mães. Eles não tem que ter este tipo de benefício, mostraram em uma emissora de televisão, que dois criminosos durante o salvo conduto do dia dos pais, aproveitaram para assaltar uma senhora que trabalha como feirante e ambos voltaram a cadeia como se nada tivesse acontecido. É Melhor nem comentar pois o veneno vai correr solto e é impublicável o que tenho a dizer a respeito disso.
Um dos maiores absurdos é que a pena máxima no Brasil não pode passar de trinta anos, aí vem os benefícios com delação premiada, se é réu primário e por aí vai. Muitas vezes, mesmo cometendo um crime grave, ele cumprindo uma parte da pena tem condicional por bom comportamento, dependendo do crime não concordo com isso não. Você é a favor que soltem um assassino por bom comportamento? Pense bem antes de responder.
Hoje se discute reduzir a menor idade penal eu concordo em parte com isso, pode-se até reduzir como acho que deve ser feito mas, porém, contudo, todavia devemos seguiro exemplo da Inglaterra e o Americano, menor que se comporta como um adulto na hora de cometer um crime,o promotor pede ao juiz apresenta suas alegações para julgar o menor como  um adulto, pois ele não foi adulto na hora de pegar uma arma e matar? Reduzindo apenas a maioridade, vamos apenas transferir o problema, pois se hoje é 18 anos, o de 17 assume a bronca porque vai para a fundação CASA (antiga FEBEM) e depois a ficha dele fica limpa como se nunca tivesse feito nada de errado. ao reduzir a maioridade para 16 anos, corremos o risco de acontecer o mesmo, um garoto de 15 assumir a culpa e o processo se repetir como no exemplo acima.
É hora da sociedade refletir bastante sobre o assunto e cobrar, de forma civilizada, dentro da Lei e da ordem as mudanças na Lei que se fazem necessárias. Que tal pensarmos sobre o assunto?

Franco Barni* (MTB29942)
*Franco Barni é Jornalista


Escrito por Franco Barni às 11h42
[] [envie esta mensagem] []


 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]  
 
 



Meu perfil
BRASIL, Sudeste, LINS, JARDIM AMERICANO, Homem, de 46 a 55 anos, English, Italian, Arte e cultura, Livros


HISTÓRICO



OUTROS SITES
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 Blog


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!